Google Tradutor

Quem sou eu

Minha foto
Espírito Santo, Brazil
Professora Educação Infantil. Costumo ser reservada e tímida, ás vezes gosto de ficar sozinha. Vivo o presente. Sou do tipo de pessoa que vive o “aqui e agora”. Não gosto deixar nada pra depois. Preciso de liberdade e independência para fazer minhas próprias coisas. Alegria sempre. Nada de ficar reclamando das dificuldades. Deus conhece nossa capacidade. "Posso não saber o quanto vou ter que caminhar, mas eu continuarei andando e sorrindo. Vou aprendendo a viver e a conviver. Levo comigo uma bagagem cheia de decepções, momentos felizes e alguns não muito.. meus erros, minhas lágrimas, minhas derrotas e vitórias... Não quero ser perfeita , eu quero é cair e levantar rindo... levantar e limpar as mãos e os joelhos e me preparar para correr de novo ,dessa vez mais rápido ainda. Se não quiser que eu te decepcione não faça demasiadas expectativas..."

Marcadores

sexta-feira, 4 de agosto de 2017

Cartão: Pais

Molde para o cartão: recortei num papel cartão. Pedi as crianças para pintarem do lado avesso. Ao montar deixei a parte da pintura da criança para fora e do papel para dentro. o recorte da gola fiz com estilete.


Aqui um modelo pronto (do ano de 2015).


Na foto abaixo, uma aluna minha do berçário pintando com rolinho. as gravatinhas podem ser recortadas com eva ou outro material. Nesse abaixo, como não tinha muito tempo para recortar, comprei prontas numa papelaria, cortei pela metade e refiz um nó na ponta, colando-a próximo à gola.

 Este foi o modelo da mensagem colado atrás do cartão.Este ano incluí a frase "Pra você que cuida de mim" no título onde está "Querido pai".

sábado, 15 de julho de 2017

Paciência é um atributo pessoal que também se aprende

Lembre-se, uma criança não mimada é igual a um adulto organizado e disciplinado...

Meu maior defeito, nos tranquilos dias da infância, consistia em desanimar com demasiada facilidade quando uma tarefa qualquer me parecia difícil. Eu podia ser tudo, menos um menino persistente.

Foi quando, numa noite, sem que esperasse, meu pai entregou-me uma tabuazinha de pequena espessura e um canivete, e me pediu que com este riscasse uma linha a toda largura da tábua. Obedeci a suas instruções e, em seguida, tábua e canivete foram trancados na escrivaninha de papai.

A mesma coisa foi repetida todas as noites seguintes e ao fim de uma semana eu não aguentava mais de curiosidade. A história continuava. Toda noite eu tinha que riscar com o canivete, uma vez, pelo sulco que se aprofundava. Chegou afinal um dia em que não havia mais sulco. Meu último e leve esforço cortara a tábua em duas.

Papai olhou longamente para mim e depois disse: “Você nunca acreditaria que isto fosse possível, com tão pouco esforço, não é verdade? Pois o êxito ou fracasso de sua vida não depende tanto de quanta força você põe numa tentativa, mas da persistência no que faz...”

Foi esse uma lição de coisas impossíveis de se esquecer e que mesmo um garoto de dez anos podia aproveitar.

Relato de N. Semonoff (Londres)

quinta-feira, 13 de julho de 2017

Faça Acontecer

Quase não existe diferença visível entre o atleta vencedor e o que chega por último.

Ambos possuem o mesmo número de músculos para trabalhar. Ambos jogam com as mesmas regras e usam equipamentos semelhantes.

Porém, o vencedor é o que te a determinação de vencer. O vencedor é aquele que faz o que é preciso, treina dia após dia, esforça-se um pouco mais a cada treino, é capaz de visualizar sua passagem pela linha final à frente do resto.

Tanto o vendedor melhor pago quanto aquele que raramente realiza uma venda possuem os mesmos talentos e recursos. A diferença está no que eles fazem com o que têm.

Tanto o escritor que mais vende quanto o que nunca publicou nada possui o mesmo dicionário cheio de palavras para trabalhar. A diferença está no que eles fazem com o que têm.

Você já possui a matéria-prima para o sucesso e a realização. Você possui o necessário para atingir a grandiosidade em tudo que você quiser. Você tem dentro de si o potencial para conquistas extraordinárias. Ninguém é mais nem menos equipado para o sucesso do que você, mas é você quem deve fazê-lo acontecer, e é quem tem que assumir o compromisso e fazer o que for necessário para atingir a grandiosidade de que é capaz.

Você tem o que é preciso. Faça acontecer.

sábado, 17 de junho de 2017

Kit Microdermoabrasão Time Wise Mary Kay



Estou usando esse kit da Mary Kay há quase um mês. Esfolia muito bem, deixa a pele bem lisinha e com um toque suave.

Passo 1 Refinar: A primeira embalagem é uma bisnaga com um creme branco com microcristais bem fininhos. Com uma pequena quantidade é só espalhar pelo rosto e lavar com água morna.

Passo 2 Restaurar: a segunda embalagem vem com um pump que dosa um creme mais fluido que o primeiro em tom rosado clarinho, deixando a pele bem macia após massagens suaves.

Costumo lavar antes o rosto com um sabonete Asepxia, mas há outros produtos disponíveis no catálogo da Mary Kay. Pelo kit com os dois produtos paguei R$169, não é vendido separadamente, pois um complementa o outro. Aprovei o produto porque remove bem as células mortas da pele deixando-a aveludada.

sexta-feira, 16 de junho de 2017

Óllio Desodorante Corporal Jequiti

Já usei alguns produtos para o corpo e meus preferidos são os óleos, pois deixam a pele hidratada sem ficar “escorrendo” como os cremes hidratantes.

Ao escolher no catálogo da Jequiti os produtos para troca do resgate do carnê, escolhi o “Óllio Corporal Provocante Pimenta Rosa e Canela”. Usei ao finalizar meu banho, espalhando por todo corpo, enxaguando. Deixou minha pele muito hidratada e iluminada, com uma fragrância deliciosa.

A embalagem plástica é simples, bonita, numa cor vermelha que chama atenção. No catálogo custa R$29,90 e tem 250ml, além de outras fragrâncias.

domingo, 16 de abril de 2017

Divulgação Canal Super Mães Especiais

Ajudem a divulgar esse  movimento: Canal Super Mães Especiais Pirapora.
Nesse canal você será informado sobre as patologias e tratamentos de algumas especialidades.


Também no site da ABRA (Associação Brasileira de Autismo) encontra-se alguns documentos disponíveis para download.

quinta-feira, 6 de abril de 2017

1º Perfil de Turma: berçário

Obs.: essa turma encontra-se com faixa etária aproximada de 1 ano e 3 meses.

A turma do grupo I-B vespertino iniciou o ano composta por 16 crianças, sendo 11 meninas e 5 meninos. Desse total nenhuma criança frequenta a instituição em período integral. Não há criança com necessidades especiais no grupo. É uma turma novata, pois para todas as crianças está sendo seu primeiro contato com o ambiente escolar. Além de mim na sala, conto com o apoio e parceria de mais duas profissionais (APEI’S) que me auxiliam durante todo o momento com o trabalho de cuidar e educar essas crianças tão pequenas.

Nas primeiras semanas a turma apresentou-se chorosa ao se despedir-se de seus familiares, o que é esperado para essa fase. Costumo deixar brinquedos no tapete para que possam interagir com o material além de facilitar sua socialização com todos no grupo (crianças e adultos). Aos poucos, com o acolhimento carinhoso e paciência dispensados tanto por mim quanto pelas APEI’s, estão se adaptando e sentindo-se mais seguras e confiantes não só com o novo espaço quanto com os novos colegas.

As crianças chegam com seus familiares, em geral com a mãe ou o pai. São recebidas por mim na sala de aula e também pelas APEI’s, sempre com um sorriso no rosto dando bom dia. Ao chegarem, as crianças são acolhidas no tapete da sala com brinquedos, deixamos suas mochilas em cima da poltrona existente na sala para depois levar ao ambiente do lavatório. Os calçados são guardados nas próprias mochilas para que possamos ir ao parquinho.

Por serem crianças ainda muito pequenas, a maioria ainda não apresenta uma oralidade bem desenvolvida, quase não escuto sua voz, geralmente comunicando-se por balbucios e gesticulações. Costumam comunicar-se com palavras simples, sons e muitas gesticulações, geralmente para expressar sentimentos e desagrados. Minutos antes da saída, chamo as crianças para cantar ou coloco músicas para dançar; na medida em que a família chega vou entregando suas mochilas e nos despedindo.

Os convido para sentar num tapete emborrachado próximo à janela, mas ainda estão se acostumando com o momento de cantigas de roda: são poucos que batem palmas. Costumam ficar nos olhando, geralmente com um sorriso no rosto.

Ainda tenho dificuldades em realizar as rodas de conversa e cantigas com as crianças. Seu tempo de concentração é muito curto e ainda se dispersam com qualquer movimento ou barulho na escola. Costumo deixar a porta da sala fechada para que possa, de alguma forma, chamar sua atenção para mim e aconchegamos os menores mais próximos ao meu corpo ou das APEI’s.  

As crianças estão se ambientando com o parquinho, pois os levo para a casinha de areia onde brincam com os brinquedos disponíveis. Algumas que se mostram chorosas na entrada, ficam mais calmas nesse momento, brincando perto de mim ou das apeis. São poucas crianças que preferem ficar apenas circulando pela casinha para observar o ambiente ou os outros colegas. Quando terminamos poucos ajudam a guardar os brinquedos num canto da casinha, mesmo depois de muita intervenção.

Todas as crianças já andam, sendo necessário somente mostra-lhes os espaços a serem seguidos para cada atividade. Todas fazem uso da fralda descartável para suas necessidades fisiológicas. O banho acontece após a troca das fraldas para evitar assaduras e quando mais se achar necessário, seja devido o calor ou mesmo para deixá-los mais confortáveis no ambiente. A troca de fraldas é tranquila, são feitas pelas APEI’s com carinho e atenção. Poucas crianças fazem uso da chupeta, mas procuramos dar somente na hora de dormir ou quando estão muito chorosas.

Alimentam-se na própria sala, num espaço reservado às refeições. Por enquanto, alimentam-se com nossa ajuda, sendo que alguns comem pouco, por estarem se acostumando com a rotina da escola. Há um menino com intolerância à lactose e com laudo, onde a escola fornece leite de soja.


É tranquila a interação das crianças com os adultos da sala, a interação entre as crianças às vezes é conflituosa, nem sempre aceitam compartilhar um brinquedo. Há casos de ciúmes onde uma criança empurra ou tenta morder outra, seja para pegar um brinquedo ou mesmo tentar ficar no meu colo ou no das APEI’s. Sobre as mordidas, já estou conversando com as mães para evitar esses conflitos e também já enviei um texto explicativo sobre essa fase oral tão delicada e conflituosa para todos os envolvidos. 

quarta-feira, 5 de abril de 2017

1º Perfil Turma (2 anos)

O grupo II-B é composto por 20 crianças sendo 14 do sexo masculino e 06 do sexo feminino, onde até o momento dois meninos frequentam integralmente o ambiente escolar. São crianças assíduas faltando somente em virtude de doença ou motivos justificáveis, onde todas são moradoras da comunidade local, portanto não necessitam de transporte escolar. Nota-se que os responsáveis, em sua maioria, são os próprios pais.


Durante o período de adaptação do grupo, poucas crianças choraram ao despedir-se do familiar, pois são crianças que já conviviam nesta instituição no ano anterior. Aos poucos foram acalmando-se quando acalentados e incentivados a participar dos mementos de canto com os colegas. Até o final deste trimestre, poucas crianças ainda choram ao chegar à sala de aula, demonstrando estar adquirindo mais confiança e autonomia perante o grupo.


São crianças falantes, conseguem interagir nas brincadeiras do grupo ou mesmo comunicar seus desejos e necessidades seja pra mim quanto para a monitora. Sempre estou conversando ou cantando cantigas para que possa envolver mais as crianças nas rodinhas e nos ambientes externos (refeitório, parquinho, gramado), além da monitora também estar em constante diálogo com todos. Muitos já sabem os nomes de alguns colegas e também de alguns funcionários.

Percebi a necessidade de trabalhar limites e normas sociais imediatamente, pois a turma mostra-se bem agitada e alguns demonstram um comportamento inadequado como morder, jogar brinquedos, falar palavras inadequadas. Já estamos conversando com as crianças sobre estas práticas nada sociáveis e estimulando mais brincadeiras e atividades em grupo onde ocorra cuidado com os materiais e carinho com os colegas.


O grupo aprecia brincadeiras no parquinho (principalmente o escorregador, além de brincar com carrinhos.


Todas as crianças alimentam-se sozinhas, alguns costumam comer rápido ou mesmo largar o prato para correr no pátio. Nesse momento preciso ficar um pouco mais próxima dessa criança para que espere os colegas e não fique correndo pelo pátio para que não se machuque. Nesse momento ajudamos essas crianças na alimentação seja na orientação quanto referente ao seu manuseio.


As crianças apresentam bom desempenho, são alegres e espontâneas e participativa.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Alisamento para cabelos da Barbie


Se sua filha tem um monte de bonecas e estão todas descabeladas segue receitinha de uma progressiva para Barbie:
Você vai precisar de:
- Um pedaço de papel filme;
- Água;
- Detergente;
- Amaciante de roupas;
- Escovinha de cabelo da Barbie.
Como fazer:
1º passo: Tire as roupas, acessórios, enfim, tudo que tiver na Barbie.
2º passo: Enrole um pedaço de papel filme em todo o rosto da Barbie, pois isso garante que se a maquiagem da boneca tiver glitter, não vai sair.
3º passo: Lave o cabelo da boneca com detergente, de preferência neutro, mas com outros detergentes também dá certo. E retire o sabão do cabelo da Barbie.
4º passo: Deixe o cabelo da boneca de molho no amaciante diluído em água por uns 5 minutos, ou mais.
5º passo: Retire o amaciante do cabelo da boneca e penteie bem retinho, pois vai ser assim que vai ficar.
6º passo: Deixe a boneca sentada, ou de algum modo que você não precise segurar (sem ser deitada) e jogue água quente, quase fervendo. Logo em seguida jogue água gelada. e deixe secar ao ar livre. Para acelerar o processo, deixe no sol.
Pronto! Cabelos da Barbie lisinho, brilhante e sem volume!


Fonte: facebook DM.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2016

Retalhos...

Sou feito de retalhos. Pedacinhos coloridos de cada vida que passa pela minha e que vou costurando na alma. Nem sempre bonitos, nem sempre felizes, mas me acrescentam e me fazem ser quem eu sou.

Em cada encontro, em cada contato, vou ficando maior... Em cada retalho, uma vida, uma lição, um carinho, uma saudade... que me tornam mais pessoa, mais humano, mais completo.

E penso que é assim mesmo que a vida se faz: de pedaços de outras gentes que vão se tornando parte da gente também. E a melhor parte é que nunca estaremos prontos, finalizados... haverá sempre um retalho novo para adicionar à alma.

Portanto, obrigado a cada um de vocês, que fazem parte da minha vida e que me permitem engrandecer minha história com os retalhos deixados em mim. Que eu também possa deixar pedacinhos de mim pelos caminhos e que eles possam ser parte das suas histórias.

E que assim, de retalho em retalho, possamos nos tornar, um dia, um imenso bordado de 'nós'.

Texto de Cora Coralina



terça-feira, 20 de dezembro de 2016

Mensagem Final de ano

Esse ano enviei esta mensagem junto com as atividades de meus alunos.
 



 FOI MUITO BOM TER CONHECIDO TODAS AS CRIANÇAS, CADA UMA DELAS.
TODAS ME ENSINARAM ALGUMA COISA.
CONHECI _______________________ E MUITAS OUTRAS QUE ME MARCARAM COM A SUA PERSONALIDADE E FORMA DE VIVER A VIDA... A TODAS ELAS, OBRIGADA! SÃO OS MEUS MENINOS, MINHAS MENINAS... OS MEUS AMORES, AS MINHAS PIPOCAS.
ENSINARAM-ME A PENSAR MAIS NOS PORMENORES, A SER MAIS PACIENTE, A BRINCAR... APRENDI MUITO COM ESTE GRUPO. NO INÍCIO FOI COMPLICADO, POIS ALGUNS CHORAVAM, PEDIAM PELA MÃE OU PAI... MAS AOS POUCOS FUI CONQUISTANDO A CONFIANÇA DE CADA UM E SEI QUE CADA UM GOSTA MUITO DE MIM À SUA MANEIRA.
FOI BOM VÊ-LOS CRESCER, VÊ-LOS A APRENDER O QUE LHES ENSINEI, VÊ-LOS ENTUSIASMADOS PARA APRENDER MAIS... HOJE TEMOS UMA ÓTIMA RELAÇÃO COM MUITO CARINHO E CUMPLICIDADE.
ESTE ANO JÁ ACABOU, ESPERO ENCONTRÁ-LOS EM OUTROS MOMENTOS, FELIZES E AFETUOSOS COMO SEMPRE
BEIJOS AÇUCARADOS!

sábado, 17 de dezembro de 2016

2º Relatório Descritivo Individual: berçário

-Obs.: nomes reais foram trocados por fictícios para não expor a criança.

CRIANÇA 1
 
Ana, a partir deste semestre, tornou-se aluna integral. Percebi que logo quando chega à escola mostra-se chorosa quando chega com a mãe. Porém, assim que ela vai embora a criança brinca com tranquilidade.
É uma criança ativa. Já não morde mais os colegas e costuma chamar a atenção dos que mordem ou batem dizendo “não pode, que feio”.
Alimenta-se bem e utiliza os talheres sozinha, dificilmente rejeita algum alimento. Quando quer comer mais chama dizendo “Tia quero mais”.
Ana está num período de desfralde, tenho que estar sempre perguntando se precisa ir ao banheiro, utilizando com segurança e tranquilidade.
Em relação a projeto identidade e autonomia “Eu e minha família brincando com o boneco em minha casa”, possibilitou a interação e participação com a família, permitiu que a criança desenvolvesse cuidados com o outro, além da aquisição de novas formas de relações consigo, com o outro e com o meio em que vive.
Na roda de histórias tem um tempo de concentração um pouco maior do que os colegas, apreciando histórias com animais ou conto de fadas, principalmente se aparece o lobo ou a bruxa. Nesse momento faz imitações, sorri, responde minhas intervenções. Expressa-se com frases simples, seus desejos, necessidades e demais questionamentos. Quando percebe que tanto as apeis quanto eu estou mexendo em nossas bolsas ou outra sacola que não seja da sala, pergunta o que tem, se iremos guardar, se é de algum colega da sala. Participa dos jogos e brincadeiras dirigidas com entusiasmo e alegria. Ainda tem dificuldade para reconhecer cores, costuma confundir o azul com o vermelho. Canta com desenvoltura, dançando, batendo palmas e fazendo gesticulações. Brinca no parquinho explorando todo ambiente, geralmente está próxima de algum coleguinha, onde já demonstra preferência em estar perto, seja de Maria, Joana ou Luna. Consegue subir pela escada da casinha para escorregar, sempre com meu apoio ou das apei’s.
Sua família acompanhou o seu desenvolvimento no CMEI durante este semestre, com interesse e participação.


CRIANÇA 2 

Henrique no início do segundo semestre já estava chegando tranquilamente à escola, porém no final de outubro voltou a choramingar e não querer entrar na sala. Entretanto minutos depois que entra, fica bem e brinca com o boneco que traz de casa.

Ampliou mais seu círculo de amizades, não fica mais somente perto da apei Maria, porém tenho observado que Henrique mesmo às vezes brincando perto dos colegas não está brincando com eles. Costuma ficar em cantos isolados, ou lugares nos quais tem poucas crianças brincando.

Outros aspectos em Henrique também são bem notórios: ainda não pronunciou palavras simples nem balbucios, dificilmente olha em meu rosto quando estou conversando com ele, às vezes percebo um sorriso quando estou brincando num grupo e quando percebe que estou olhando-o logo vira o rosto ou vai para outro canto da sala, quando a turma está fazendo gestos ou dando “tchauzinho” Henrique costuma virar as costas ou ficar olhando pra cima ou para a janela. Geralmente quando chamo toda a turma para uma atividade coletiva preciso pegá-lo pela mão e trazê-lo até nós e mesmo assim logo dispersa e vai procurar algo ou mesmo vai para a piscina de bolinhas.

No refeitório, continua comendo bem, não rejeitando nenhum tipo de alimento. Ainda necessita utilizar as fraldas para suas necessidades fisiológicas, Quando tentei levá-lo ao banheiro para incentivar o uso do vaso sanitário, tenta vestir novamente sua bermudinha e sai do banheiro.

Nos momentos de contação de histórias costuma ficar um tempinho observando os livros ou fantoches utilizados e logo vai em busca de outra coisa ou mesmo vai para o outro tapete e deita, somente para afastar-se do grupo.

Em relação a projeto identidade e autonomia “Eu e minha família brincando com o boneco em minha casa”, possibilitou a interação e participação com a família, permitiu que a criança desenvolvesse cuidados com o outro, além da aquisição de novas formas de relações consigo, com o outro e com o meio em que vive.

Sua família acompanhou o seu desenvolvimento no CMEI durante este semestre, com interesse e participação.

 

CRIANÇA 3

 

Rita tornou-se uma criança mais ativa e participativa. Já não chora mais quando a apei Maria precisa sair da sala, tornou-se mais independente e segura em suas ações.

Já está andando com firmeza e explora todos os móveis e objetos encontrados pela sala e outros ambientes: sobe/desce, pula, escorrega. Quando algo a desagrada ou uma criança tenta pegar um brinquedo seu ainda costuma dar uns gritinhos, se chamo sua atenção fica séria e vai para outro canto ficando me observando de longe ou olha para a apei Maria numa tentativa de defendê-la.

Alimenta-se sozinha e não aceita quando tentamos ajudá-la. Sua mãe apresentou um laudo de restrição alimentar onde eliminamos o feijão e o leite de sua alimentação, não sendo possível beber também o leite de soja. Para seu desjejum Rita traz de casa seu leite sem lactose ou um suco.

O momento de higienização continua sendo tranquilo, ainda não foi possível seu desfralde.

Sua oralidade vem progredindo com muito entusiasmo. Costuma cantar repetindo alguns trechos de cantigas de roda, reconhece os nomes dos colegas e quando questionamos algo costuma dizer mesmo que baixinho o nome deles, quando quer algo aponta e diz o nome do objeto ou faz o som do mesmo.

Em relação a projeto identidade e autonomia “Eu e minha família brincando com o boneco em minha casa”, vem possibilitando uma maior interação e participação com a família, permitindo que a criança desenvolvesse cuidados com o outro, além da aquisição de novas formas de relações consigo, com o outro e com o meio em que vive.

Na roda de histórias seu tempo de concentração é curto, próprio da idade, gosta quando envolvo os clássicos e animais, fazendo gestos e sons. Expressa-se com palavras simples, seus desejos e necessidades. Participa dos jogos e brincadeiras dirigidas com entusiasmo. Canta repetindo as ultimas palavras das estrofes, batendo palmas e fazendo gesticulações. Brinca no parquinho explorando todo ambiente.

Sua família acompanhou o seu desenvolvimento no CMEI durante este semestre, com interesse e participação.

Aguardando a chegada de Otavio.

Aguardando a chegada de Otavio.
Abençoada seja sua vinda, meu filho!

Foto: meu amor Anderson

Foto: meu amor Anderson

Foto: pais Josedino e Conceição

Foto: pais Josedino e Conceição

botão redes sociais